28ª ASPEN – Os Grandes Desafios e Mudanças do E-Commerce no Pós-Pandemia

Proportion
Categoria: Notícias, Webinar

E-COMMERCE

O comércio eletrônico exige maior qualidade do sistema logístico

Com o crescimento do e-commerce durante a pandemia, nova perspectiva de comportamento do consumidor indica pressão para os serviços de entrega

Diogo Henrique Silva

Especial para o Instituto Besc de Humanidades e Economia

O ano de 2020 ficará conhecido na história por elevar significativamente o patamar do e-commerce a âmbito mundial. Afinal, as medidas de isolamento social e os protocolos utilizados para conter o coronavírus levaram vendedores e clientes para o comércio eletrônico. Com as limitações de funcionamento do varejo presencial, o Brasil, por exemplo, teve um crescimento de 47% nas vendas on-line no primeiro semestre. De acordo com estudo do Ebit/Nielsen, a comercialização de produtos e serviços por meio virtual movimentou uma quantia superior a 38 bilhões de reais entre janeiro e junho. Nesse período, mais de 7,3 milhões de brasileiros realizaram pela primeira vez a compra on-line. A quarentena também impulsionou a entrada de empresários no ambiente digital. Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, 150.000 novas lojas on-line foram criadas de março a julho.

O momento propiciado pela pandemia exigiu não apenas uma postura inovadora dos lojistas, mas da operação logística na entrega das encomendas. Comparado aos meses anteriores ao surto de Covid-19, de janeiro a março, os Correios tiveram um aumento de 39% no número de pacotes entregues por dia, aproximadamente, 1,5 milhão, entre junho e julho. O enfretamento da situação aconteceu amparado, principalmente, na ampliação das opções de coleta e no lançamento do programa AproxiME, destinado às pequenas e médias empresas que estão começando no e-commerce. Alex do Nascimento, diretor de Negócios da estatal, analisa que a tendência é que o comércio eletrônico continue em expansão. “No final deste ano, nós estamos com cargas superiores a dois milhões; um aumento ainda maior em alguns dias da semana. Beirando valores entre 1,8 e dois milhões de encomenda por dia, isso apenas a âmbito nacional”.

A consideração foi proferida durante a 28ª edição da ASPEN, Assembleia Permanente pela Eficiência Nacional, realizada pelo Instituto Besc de Humanidades e Economia no dia quinze de dezembro. O último evento do ano da entidade teve como tema “Os Grandes Desafios e Mudanças do E-Commerce no Pós-Pandemia”. Com a mediação do acadêmico Aurélio Lamare Soares Murta, coordenador do MBA em Logística Empresarial da Universidade Federal Fluminense, a conferência contou com a participação de gestores públicos, dos Correios, e de executivo do segmento privado.

Logística no e-commerce – Embora as dificuldade impostas tenham gerado impactos negativos, os Correios conseguiram ampliar a capacidade de produção e a otimização dos serviços. Mesmo com a redução de profissionais, cerca de vinte por cento do quadro foi afastado por ser considerado grupo de risco, a corporação atingiu um resultado de 97,5% de eficiência nas entregas. Carlos Henrique De Luca Ribeiro, diretor de Operações dos Correios, frisa que apesar do desafio, novas soluções foram desenvolvidas no dia a dia de trabalho. Conforme ele, a dinâmica de vendas não será a mesma; com mais clientes de compras virtuais, maior a pressão na logística. “O segundo semestre é preparado. Nós temos um plano de continuidade de negócios. Nós temos aumento e flexibilidade de alocação de recurso. […] A gente entregou, em uma semana, cinquenta por cento das encomendas da Double Eleven, a Black Friday chinesa, que é dez vezes maior que a Black Friday”.

Crise como oportunidade – Líder mundial no mercado on-line de artigos luxuosos de moda, a Farfetch surgiu em instante econômico desafiador. Fundada em 2008, durante a recessão econômica global de 2008, o marketplace conseguiu superar as adversidades e ampliou horizontes. Após doze anos, a empresa atua em mais de cinquenta países e tem mais de mil marcas e boutique parceiras. Atenta às transições das práticas de negócios, a bilionária companhia acompanha de maneira atenta os hábitos da compra virtual. Para o diretor da Farfecth na América Latina, Mário Ferreira, o consumidor, hoje, é digital e exigente com a entrega. “A gente percebeu no Brasil um aumento de compras on-line, globalmente é maior ainda. Para se ter uma ideia de número, no segundo trimestre de 2020, nós tivemos 500 mil novos clientes globalmente. Hoje, nós temos quatro milhões”.

Websérie – Todos os episódios da Assembleia Permanente pela Eficiência Nacional estão disponíveis no canal do Instituto Besc de Humanidades e Economia no YouTube. O evento online acontece às terças-feiras, a partir das 17h (horário de Brasília), aberto ao público e pelo mesmo canal. Acompanhe a agenda de debates por meio dos perfis da organização no LinkedIn e Facebook.

https://www.youtube.com/watch?v=H-YVTTlJ08M&t=2636s